13 de jun de 2010

sobre corcéis, lobos, ogros e esferas

A gente inventa definições pr’aquilo que a gente morre de medo: tudo que não dá pra ver, nem tocar.

Pra prevenir o ogro lá dentro de correr furioso por aí, o jogamos numa gaiola de quatro letrinhas, apertado e desconfortável. A gente chamou esse ogro de Ódio e o expôs na vitrine do zoológico.

Com vergonha de mostrar aos vizinhos, trancamos o louco no quarto dos fundos, de paredes acolchoadas pra que não se machucasse. Esse a gente apelidou de Alegria.

A água salgada do nosso mar, a gente colocou numa esfera com rótulo de letras garrafais em cinza: Tristeza.

Capturamos o lobo vermelho-incandescente, encoleirado por um enforcador, a gente o prendeu ao pé da nossa cama chamando–o de Amor.

E por fim… Temendo os coices do corcel fogoso, a gente lhe pôs um cabresto, forçou-lhe na boca um bridão, jogou em seu dorso uma sela; Cortamos sua crina e marcamos, em ferro quente, na sua garupa, a palavra LIBERDADE.

P.S.: Nem esporas, nem chicotes, nem arreios o impedem de derrubar os que ousam montá-lo. Nem pastos, nem baias, nem redondéis são capazes de conter seu disparo… E quando este dispara, liberta, leva consigo o louco em seu dorso, o lobo em seu encalço e o ogro – carregando a esfera na mão.

A gente inventa definições pr’aquilo que a gente morre de medo…

Nenhum comentário:

Postar um comentário