13 de jun de 2010

Confissão

Conte-me, meu bem… Conte seus segredos, suas vontades, seus sentimentos. Eu te ouviria como ninguém jamais faria: guardaria, atiçaria, explicaria… É que eu, que sigo os teus passos, sei tuas valsas, ouço tuas melodias – te leio tão bem! Só eu… Que não lhe vi por inteira… Já lhe decorei toda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário