13 de jun de 2010

...

Ao cair o breu e eu já nada enxergar a um palmo do nariz,

no exato instante, no breve momento antes do amanhecer…

Corto minha jugular e espero, serena e agonizante, que a minha vida se esvaia até meu corpo secar.

Na explosão do prazeroso delírio que me toma ao sol espreguiçar-se, renasço; e arrebatada pelo desejo imenso de viver,

eu choro. E me ponho a respirar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário