13 de jun de 2010

Entrega

Vou mergulhar na ignorância de quem ama. Eu vou despencar de barriga na água gelada, dando braçadas a favor da correnteza.

Só assim me entregarei, preciso abrir a camisa e me prostrar de peito nu. Eu preciso não saber parar de doer, mostrar os pulsos sem empunhar, dar mão alma e coração. Eu me sinto rígida e intransponível, estou sendo consumida pela agonia do inquebrável. Meu estático enigma de Esfinge carrega a charada cruel que me define. Quem sou eu? Que sou eu? Decifra-me ou devoro-te, como devorei a mim mesma.

E agora abro os braços sob os trilhos e te espero de olhos fechados.

Salva-me de mim!


28/02/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário