13 de jun de 2010

...

Eu não sei me explicar. Não saber ditar-me é minha única essência, minha marca registrada sempre foi a inconstância. É o senso caótico, o ‘quê’ imprevisível que me locomove.

Algo tão inquietante mora dentro de mim… que não mais descanso, já não prego meus olhos. Eu corro de um lado para o outro procurando mais olhares, cultivando mais paixões. Eu não paro. Eu não consigo parar… de procurar desafios. Eu corro atrás de algo que nem sei o que é: basta que me tome o fôlego, que me deixe quieta, que me faça amar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário