20 de jun de 2010

Carnalidade

Eu detenho as minhas mãos no cós da sua calça, não permitindo que vaguem pelo corpo que já sei todo de cor. Temo perder o controle e enquanto pelejo, você me toma toda. Você me sabe toda. E me usa, procura alguma brecha no resquício da minha sanidade, no pouco do meu controle. Meu instinto grita, se debate e me desafia... Eu mal consigo me segurar ao queimar de desejo enquanto você se entrelaça, colando seu corpo no meu. Em algum lugar do caminho minha mente me abandonou e agora todos os meus sentidos amontoam e se concentram em você: seu gosto, seu cheiro... Um tornado de sensações. Chego a fraquejar envolvida numa embriaguez tão intensa que só é necessário esse segundo para que minhas mãos ajam pelo seu corpo procurando mais e mais da sua pele, por baixo da blusa, por dentro da calça, e eu totalmente aturdida. Minha consciência trava um embate louco e inútil contra o impulso de te sentir, contra essa vontade de você. A lucidez do meu delírio está presa por um fio de sensatez e é o que me impede de me perder no seu corpo.

4 comentários:

  1. quarto da amanda feelings. kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. esse texto é antigo, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    mas se encaixa, porque não? hahaha!

    ResponderExcluir
  3. Que lindo . *-*
    adoro seus textos biazita.
    by the way, tô te seguindo. :D

    ResponderExcluir