13 de jun de 2010

Passageira

É inevitável: quem luta como eu, sai ferido, deixa ferido… Por isso passo e deixo, em rastros vermelhos, meu desejo de quem tentou ficar, a mera ardência na boca e no coração, memória do meu arfar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário