13 de jun de 2010

Ao Arcanjo (2)

Mas que falta tu fazes…

Tua ausência é tanta

Que dei por inventar-te a presença

Já nem sofro mais

Apenas degusto melancolicamente,

A cada batida de meu coração

O que resta de ti:

Vazio no canto do salão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário