15 de jul de 2012

Conclusão


Partidas são assustadoras. Talvez porque partir sempre soou como ato de abandono, ou porque sempre fui fendida nesse processo. Contanto, eu também já fui embora e deixei estilhaços para trás, os quais não me orgulho de ter provocado. Ainda me esforço para compreender que a despedida é inerente ao nosso ser. Nada é passível de recomeço sem que se preceda um fim. E o derradeiro muitas vezes vem acompanhado dessas partidas capazes de nos quebrar, tanto a nós quanto aos outros.
Tem partida que é ato premeditado, quando já se sabe o destino destrutivo da relação mas nós insistimos em desconstruir nossos muros e abrir o peito para o desastre iminente. Não há dor maior do que ter plena consciência de que aquilo que você sentiu não teve começo mas já terminou. É como o suspiro precedente de uma declaração que nunca foi dita.
Tem partida que é natural, pacífica. Um acordo entre partes, consentimento mútuo e amoroso. Tão rara de se ver, suponho até que seja extinta. É como uma trégua, um pedido de paz. O último gesto de amor, deixar um ao outro partir.
Tem partida que é deserção. É covardia. O desertor nem avisa, e o desertado é abandonado no ato. O medo, ou o descaso, se torna maior do que o conjunto. É como lutar por alguém que já assumiu derrota.
Tem partida que se tornou espectro. O corpo ficou, mas a alma já foi embora. É a acomodação de um amor já morto (ou talvez, nem nascido). É a falta de coragem de partir, tornando a despedida um fantasma, uma sombra que apavora noite e dia aquele que não renunciou.
Tem partida que é motim, é arruaça. Libertação. Quando já não se há espaço para respirar e o que resta é ir para longe... Tem outra que é pedido desesperado de atenção, súplica de amor.
Tumultuadas ou silenciosas, percebidas ou talvez, nem notadas... Amargas ou doces. Não importa como, serão sempre partidas. O desfecho não muda. O final é o mesmo. Desse jeitinho: acabou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário